• michelwajs

Vacina contra covid-19: como incentivar seus colaboradores a tomar?






As vacinas podem ter demorado um pouco mais para chegar aqui no Brasil, mas finalmente a população está sendo vacinada em um ritmo acelerado, de forma que já atingimos aproximadamente 80% de imunizados com a primeira dose e aproximadamente 40% de habitantes completamente imunizados. Com isso vamos, aos poucos, retomando um ritmo de vida mais próximo do que tínhamos antes do início da pandemia.


Contudo, não são todos os brasileiros que desejam tomar a vacina e, nesses casos, medidas estão sendo pensadas e tomadas por empresas ao redor do país, principalmente para incentivar a vacinação em meio aos seus colaboradores.


Foi pensando em ajudar você, gestor de RH ou responsável pela gestão de saúde da empresa, que reunimos aqui algumas ideias de como outras empresas estão incentivando seus colaboradores a passar pela imunização. Mas, primeiro, vamos falar um pouco sobre as vacinas e as notícias que têm circulado sobre elas.


Fake news sobre a vacinação


Mesmo com extensas campanhas de órgãos governamentais e não-governamentais informando a população sobre a importância da vacinação, ainda há muita desinformação circulando pela internet em grupos de whatsapp. Por isso, viemos aqui ajudar você a reunir conhecimento para replicar para sua equipe e mostrar para todos sobre os equívocos que têm sido propagados.

As vacinas alteram o DNA humano

Algumas das vacinas disponíveis, como a desenvolvida pela Pfizer/BioNTech, usam fragmentos do material genético do vírus, que também é conhecido como RNA mensageiro. Por isso, começaram a circular boatos que isso alteraria o DNA das pessoas que fossem imunizadas com essas vacinas.


No entanto, foi comprovado cientificamente que injetar esse RNA mensageiro não altera de maneira nenhuma o DNA humano. Na verdade, o que acontece é que o imunizante apenas oferece “instruções” para o corpo produzir uma proteína que está na superfície do coronavírus e, então, o sistema imunológico do corpo começa a produzir anticorpos que irão proteger a pessoa contra o vírus.


E, por mais que essa tecnologia de RNA seja inédita e essas sejam as primeiras vacinas com o mRNA. Porém, diversos estudos já foram conduzidos e a vacina foi testada em milhões de pessoas ao redor do mundo. Além de ter passado em todas as verificações de segurança realizadas por diversos órgãos reguladores ao redor do mundo.

As vacinas possuem microchips que serão implantados

Uma das fake news que ganhou mais alcance logo que surgiram as primeiras notícias de vacinas foi a de que a pandemia seria uma “cortina de fumaça” e seria somente uma fachada para um plano de implantes de microchips rastreáveis na população e o criador do plano seria o fundador da Microsoft, Bill Gates.


Porém, não há nenhuma evidência real de que o bilionário estaria envolvido em um plano como esse e até a Fundação Bill e Melinda Gates sentiu a necessidade de se explicar e afirmou que a teoria é falsa.


O rumor surgiu depois que uma pesquisa conduzida pela instituição de Gates foi divulgada. O estudo avaliava uma tecnologia que poderia armazenar registros de vacinas de uma pessoa, mas que funcionaria mais como uma tatuagem e não um microchip.


Vacinas podem causar fibromialgia e Alzheimer

Em uma transmissão ao vivo pelo Facebook, um profissional da saúde afirmou que um médico teria falecido durante os testes da vacina AstraZeneca/Oxford e que a causa supostamente teria sido o imunizante. E, ainda, afirma que as vacinas desse fabricante podem causar fibromialgia e Alzheimer.


Porém, todas as informações são falsas, não há nenhum estudo que comprove ligação de imunizantes com qualquer uma das condições. Segundo a Fiocruz, fabricante nacional da vacina, o Alzheimer é uma doença de longa duração e as vacinas surgiram há pouco tempo, portanto não há como verificar tal conexão e nem como se desenvolver tão rapidamente.


Essas são apenas algumas das notícias falsas que estão correndo nos grupos de WhatsApp. É importante falar com seus colaboradores e conscientizá-los sobre o que é verdade e o que é mentira e, antes de tomar medidas drásticas, o RH pode oferecer alguns benefícios para os colaboradores que se vacinarem, mediante consulta jurídica.


Confira ações que empresas estão fazendo!

Criar programas de incentivo à vacinação é uma ótima saída para engajar os colaboradores. Veja alguns benefícios que empresas tomaram para motivar a equipe!


Carrefour Brasil

O Carrefour está oferecendo um dia de folga para cada aplicação da vacina. Esse “bônus” é válido para seus mais de 35 mil colaboradores que trabalham na operação das lojas, postos e centros de distribuição. E o pessoal que se vacinou antes do início dessa instauração, também tem direito à folga.


Casa Branca

A sede do governo americano firmou parcerias com diversas farmácias, incluindo Albertsons, Safeway, Target e CVS, ofertando descontos em itens para os consumidores que chegassem nelas vacinados.


Best Buy

A marca varejista de eletroeletrônicos realizou sorteios com prêmios em valores de mais de US$100 mil reais como forma de incentivar sua equipe a ir se vacinar.

Mas, e se meu colaborador ainda não quiser tomar a vacina?

Essa questão faz parte de uma polêmica que tem rondado empresas de todos os cantos do mundo. Por exemplo, na semana passada a Rede Globo divulgou um comunicado avisando que todos os funcionários que se recusarem a tomar a vacina, serão desligados.


Porém, muitos ainda estão estudando se realmente é possível desligar um colaborador por justa causa nesses casos. De acordo com a legislação vigente, no artigo 444 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), as relações contratuais de trabalho permitem que empresa e profissional estipulem as condições do contrato, desde que não contrariem as leis de proteção vigentes.


Mas, é importante ressaltar que saúde e segurança do colaborador são regras que não podem ser burladas e o profissional não pode dispor de seus direitos. Isso quer dizer que a empresa pode até dispensar o pessoal que não quiser tomar a vacina. Desde que haja uma campanha de conscientização e que a equipe entenda a necessidade da vacinação.





7 visualizações0 comentário